top of page

Como conviver com chefes ou pessoas destrutivas.

Postado em 11/10/2019 na RHevista RH |

Mesmo em tempos de tantas divulgações e conscientização, muitas pessoas, chefes, diretores, gestores cometam o assédio moral! O simples fato de sentir-se com o poder, a hierarquia, a inteligência, o mandato, enfim, dão-lhes a força para impor suas opiniões, decisões e seus mandos. Até aí ok! Se não viesse cobertas de arrogância, prepotência, agressividade e intolerância à fraqueza, desconhecimento ou a falta de competência do outro. A falta de respeito, empatia, humildade estão sempre presentes. Geralmente, eles não têm paciência com pessoas que considerem fracas, imaturas ou emotivas e, não toleram as fortes que saibam mais que eles. Minam a autoconfiança e autoestima dos dois perfis. Das primeiras procuram desmoralizar e as fazem crer que não são competentes. As segundas destroem projetos ou ideias negando a qualidade dos mesmos. E ambas nunca serão suficientes para eles. Será que estão multiplicando suas vivências e experiências negativas pregressas! Diante deles são comuns as pessoas se vitimizarem e enfraquecerem, ou se fortalecerem para provar sua autossuficiência. E como conviver com chefes ou pessoas destrutivas!

Aproprie-se de suas fortalezas e trabalhe para melhorar suas fraquezas.

  • Fortaleça sua inteligência emocional – Não se deixe enfraquecer mentalmente, não deixe minar seu valor, blinde seus sentimentos. Deixe o choro, a angústia de lado.

  • Não se considere vitima, submissa, indefesa. Estamos onde nos colocamos!

  • Neutralize-o com sua postura séria, profissional e firme.

  • Posicione-se, se expresse de forma assertiva; deixe claro que não permite feedbacks destrutivos, que prefere feedbacks que o direcione ao crescimento e desenvolvimento profissional.

Ninguém pode desrespeitá-lo, ignorá-lo, desmotivá-lo sem a sua permissão! Não aceite! Você pode ter um grande aprendizado e se tornar forte extraindo o máximo da sua potencialidade, basta escolher! Você tem duas opções: ser uma vitima passiva, adoecer e sucumbir ou se fortalecer e superar se tornando muito melhor. Veja como desafio e oportunidade. Sobre a Autora: Sulamita Rocha Miranda, 25 anos de experiência em Recursos Humanos em empresas de diversos segmentos, atuando em atração, captação, retenção e desenvolvimento de pessoas especialistas em programas de liderança. Graduada em Psicologia, pós-graduada em administração de RH e Gestão Estratégica de Negócios.



1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page